Publicado em 19/02/2018

Desde que o Google introduziu, em 2013, um recurso para exibição de imagens em altíssima qualidade em suas buscas permitindo que os usuários baixem fotos facilmente e sem pagar direitos autorais aos fotógrafo ou repositórios, isso gerou um atrito com a Getty Images.

Esse recurso do Google, prejudica o negócio do Getty Images e de outras empresas, bem como de fotógrafos profissionais que deixam de vender suas obras, sendo obrigados a entrarem com processos pesados de infração de direitos autorais.

Muitas pessoas capturam imagens do Google Imagens na inocência, sem saber que há procedimentos corretos para o uso de fotos ou ilustrações protegidas e que no caso de utilização comercial ou até em sites sem fins lucrativos e sem as devidas autorizações, pode rolar processo.

Sendo assim, em 2016 o Getty Images acusou o Google de fomentar a pirataria de imagens e apresentou uma queixa formal à Comissão Europeia para a Competição, entidade que está fazendo de tudo para aniquilar a companhia em todas as frentes possíveis, do “Direito ao Esquecimento” ao Android, do Adsense ao YouTube, do Google Shopping à elisão fiscal. É desejo do órgão separar o Google Search do resto da empresa e forçá-lo a compartilhar o seu algoritmo de busca com a concorrência, de modo a equilibrar o mercado e fomentar a competição. A briga com o Getty Images é só o “começo” dos processos da Comissão, já que o filtro que oferece imagens livres para uso não-comercial é completamente ignorado.

Através de um e-mail enviado a seus fotógrafos, a Getty Images informou que ela e o Google estão trabalhando juntos (ou seja, a Mountain View fez um acordo para evitar outro processo). A gigante de buscas está reconhecendo os danos que seu recurso pode fazer aos fotógrafos e aos repositórios oficiais. Uma das mudanças será a completa remoção do botão “Visualizar Imagem”, que exibe a mesma em qualidade máxima para um fácil download, além disso, as informações a respeito dos direitos autorais relativos às imagens ficarão ainda mais proeminentes.

Por fim, a parceria com as empresas proverá uma maior integração entre os produtos e seus serviços, o que pode significar que os usuários não encontrarão imagens em boa qualidade facilmente em suas buscas, e para utilizar tais imagens terão que seguir as regras ou pagar, independente como pretendem usá-las.

Com informações do MeioBit.

Compartilhe com seus amigos!

É novidade que você quer?
Então, assine nossa newsletter!

cookies

Oi, usamos cookies para melhorar sua experiência. Ao continuar navegando, você aceita sua utilização.